Páginas

segunda-feira, 10 de março de 2014

Vitória, enfim!

Rodrigo Caio (ao centro), o autor do gol de cabeça que acabou com o jejum de
vitórias sobre o rival: classificado! (foto: Djalma Vassão / Gazeta Press)
Foi um jogão. Corinthians e São Paulo honraram suas tradições na tarde de ontem, no Pacaembu.

Embora os técnicos tenham tentado estragar tudo, a vontade dos jogadores em campo foi notável. Não vou me alongar nos comentários da partida, nem falar que Mano Menezes não tem mais crédito perante à torcida (foi expulso por reclamar demais), nem falar do péssimo posicionamento da zaga são-paulina, especialmente de Antônio Carlos, autor de dois gols contra.

A boa notícia do clássico se chama Paulo Henrique Ganso.

Sim, ele mesmo! O cara que forçou sua saída do Santos por não ter o reconhecimento merecido. Aquele que muitos dizem estar acabado para o futebol. Ele mostrou que, mesmo sem ter velocidade, sua precisão no passe, visão de jogo e bom chute continuam.

Osvaldo e Luis Fabiano cansaram de receber passes dele. E a atuação foi premiada com um golaço, o primeiro do tricampeão mundial. Um chute maravilhoso no ângulo. Depois veio a virada, com o próprio Luis Fabiano, o empate, inúmeros gols perdidos pelo ataque corintiano... e o gol da vitória tricolor, marcado por Rodrigo Caio.

O São Paulo está classificado. O Corinthians vai ter que depender de resultados se quiser avançar. Pela postura do time, merece. Mas não pelo seu técnico que, no momento que o time precisa de paciência para trabalhar, solta as estribeiras por causa de um escanteio!!

Assim não é possível!



Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google+ Adicionar ao Tumblr Adicionar ao Linkedin Adicionar ao Blogger Adicionar ao Wordpress Enviar por e-mail Imprimir

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBS: Comentários anônimos serão excluídos. Para inserir o seu nome, basta clicar em "Nome/URL". Não é necessário preencher o campo URL caso não tenha!

No lugar do nome, podem colocar o Twitter, o e-mail ou o site pessoal. Mas não pode ficar anônimo!