Páginas

sábado, 27 de abril de 2013

Pulso firme

Agressão punida com banimento. Exemplar! (foto: AFP)
Um exemplo de como a violência deve ser combatida no esporte.

O jogador Pieter Rumaropen, do Persiwa Wamena, da Indonésia, foi banido do futebol ao agredir o árbitro Wasit Muhaimin de forma covarde, sem que o mesmo pudesse ao menos se defender. Foi um cruzado na cara do dono do apito - que estava de costas - que precisou levar pontos devido à gravidade do ferimento.

A Federação Indonésia de Futebol decidiu pelo banimento: "Ele manchou a imagem do nosso futebol", declarou Hinca Panjaitan, presidente da federação e membro do Conselho Disciplinar.

A reação nas redes sociais foi imediata. Muitos condenaram a atitude da federação, dizendo que era uma punição exagerada. Discordo. "Mas, Rodrigo, veja bem, e se ele agiu por impulso?". Que pensasse antes de dar um soco na cara do coitado do árbitro.

Felizmente, esse aí vai pensar umas duzentas vezes antes de fazer isso de novo.



Aliás, a atitude da federação é altamente louvável. Tomara que vire moda no mundo inteiro, em todos os esportes. Violência tem que ser coibida de todas as formas, tanto com medidas educativas quanto com punições exemplares.

Talvez a revolta dos brasileiros nas redes sociais seja justificada pelo fato de que estamos muito acostumados a "dar um jeitinho" em tudo, fato aumentado pelas nossas leis serem brandas demais. A sensação de impunidade dá a entender que uma agressão dessas deveria ser tolerada.

Jamais. Palmas para a Federação Indonésia. Quer dar porrada? Vai pro MMA!! No futebol, jamais!

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google+ Adicionar ao Tumblr Adicionar ao Linkedin Adicionar ao Blogger Adicionar ao Wordpress Enviar por e-mail Imprimir

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBS: Comentários anônimos serão excluídos. Para inserir o seu nome, basta clicar em "Nome/URL". Não é necessário preencher o campo URL caso não tenha!

No lugar do nome, podem colocar o Twitter, o e-mail ou o site pessoal. Mas não pode ficar anônimo!