Páginas

quarta-feira, 28 de março de 2012

Tequila no pódio!

Pois é, como eu já disse uma vez, Fernando Alonso tem uma sorte do tamanho do Sistema Solar.

Somente em circunstâncias muito especiais a Ferrari poderia comemorar uma vitória na Malásia. Pois bem, graças ao Bernie Ecclestone, que mais uma vez marcou a corrida para o horário da chuva, o espanhol conquistou uma belíssima vitória.

Nem vou compará-lo ao companheiro de equipe, é covardia. Felipe Massa foi, a rigor, o último colocado.

As McLarens decepcionaram após o pit stop. Principalmente Jenson Button que, estranhamente, se afobou. E bateu na HRT de Narain Karthikeyan, que àquela altura, era o sexto colocado.

Isso mesmo, vocês não estão loucos. Uma HRT andando momentaneamente em sexto!!!

Kimi Raikkonen e Bruno Senna foram bem consistentes. O brasileiro teve, apenas, um revés, quando bateu no companheiro de equipe logo no início da prova. Nada que afetasse o carro. O piloto da Williams, com o sexto lugar obtido na prova malaia, já conseguiu mais pontos para a equipe do que fizeram Rubens Barrichello e Pastor Maldonado em todo o ano de 2011. Um sinal claro de evolução.

Mas o real destaque dessa corrida foi, sem sombra de dúvidas (ou sombreiro), Sergio Perez.

Antes da prova, ele declarou que dedicaria a corrida à sua cadela, que havia morrido alguns dias antes. Essa atitude já deixou muitos emocionados. Imagine quando olhamos para os tempos de volta e descobrimos que ele foi o mais rápido da corrida? E que só não ganhou por um erro da equipe (ao não chama-lo antes ou junto com Fernando Alonso para colocar os pneus slick - no final, a pista havia secado) e, quando escapou em uma curva, faltando oito voltas para o fim (muitos afirmam que a escapada foi resultado da encheção de saco do engenheiro no rádio - inclusive João Paulo de Oliveira).

Eu, particularmente, não ficava tão ansioso por um final de corrida desde, pra ser bem exato, o GP da Bélgica em 2009, quando Giancarlo Fisichella colocou a Force India no pódio. Naquela ocasião, foi Vijay Mallya quem chorou. Em Sepang, as lágrimas caíram dos olhos de Peter Sauber, emocionadíssimo, apesar de saber que a chance de vitória era real e que esta escapou por um descuido da equipe.

Mesmo assim, o mexicano está de parabéns. Prova viva de que ser piloto "pagante" está longe de ser um braço-duro!!

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google+ Adicionar ao Tumblr Adicionar ao Linkedin Adicionar ao Blogger Adicionar ao Wordpress Enviar por e-mail Imprimir

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBS: Comentários anônimos serão excluídos. Para inserir o seu nome, basta clicar em "Nome/URL". Não é necessário preencher o campo URL caso não tenha!

No lugar do nome, podem colocar o Twitter, o e-mail ou o site pessoal. Mas não pode ficar anônimo!