Páginas

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Como o italiano gosta

Muitos já sabiam. Outros, esperançosos e sonhadores, esperavam pela punição. Mas ela não veio. A FIA livrou a cara da Ferrari pelo jogo de equipe imposto ao brasileiro Felipe Massa, no GP da Alemanha, em Hockenheim. Terminou tudo em pizza.

Em que pese o fato da equipe decidir o que faz com os pilotos (porque é ela quem manda neles), fico me perguntando qual o real motivo disso? Mostrar que Fernando Alonso é o primeiro piloto?

E mesmo que fosse ao contrário. Na metade da temporada, privar um piloto de disputar o título é um absurdo. “Mas, Rodrigo, veja bem, o Massa não está correndo nada em 2010, e o Alonso já foi bicampeão, então merece o status de primeiro piloto”.

Vou discordar de novo.

Não sobre a performance do brasileiro. Ele não é gênio, mas é muito mais piloto do que está demonstrando em 2010. E não adianta falar que ele é ruim porque erra demais, porque o Sebastien Vettel também erra (mais ainda) e todos consideram o alemãozinho um baita piloto.

Mas tenho que ser contra o argumento do bicampeonato render status de primeiro piloto a todo custo. Pode até ser, depois de três ou quatro provas, quando se vê claramente que há uma diferença monstruosa entre os dois pilotos da equipe.

Porém, não era o caso este ano (Felipe chegou a liderar o campeonato). Há um equilíbrio entre ambos. Claro que o espanhol, por errar menos, tira vantagem e aproveita todas as chances que tem. Mas daí a definir que ele é o primeirão e ponto final é, no mínimo, ridículo.

Tanto é ridículo que em 1986 não aconteceu isso com Nelson Piquet e Nigel Mansell. Nem em 1988, com Ayrton Senna e Alain Prost. O próprio Prost, quando dividiu o cockpit com Niki Lauda, em 1984, lutou igualmente pelo título. Também na McLaren, quem se esquece do espanhol sofrendo contra o novato Lewis Hamilton?

E, se for por questão de titulo, então Gilles Villeneuve jamais poderia ser considerado um piloto bom, porque nunca foi campeão. E isso é uma tremenda balela. Aliás, o próprio Gilles sofreu com jogo de equipe, em 1979, onde foi impedido de ser campeão para ajudar Jody Scheckter.

Ou seja, o jogo de equipe tem que continuar. O problema é saber usá-lo com bom senso, coisa que o time da Bota não faz.

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google+ Adicionar ao Tumblr Adicionar ao Linkedin Adicionar ao Blogger Adicionar ao Wordpress Enviar por e-mail Imprimir

4 comentários:

  1. Nem falo nada q tem dedo do jhon Todt ai...

    ResponderExcluir
  2. Só digo uma coisa: ainda bem que meu pai não viveu pra ver uma merda dessas...

    ResponderExcluir
  3. E outra coisa: o Alonso é o tipo do cara que "tem que ser o Luís Pereira porque a bola quadrada é dele"...

    Raciocina comigo: Alonso NUNCA iria pra Ferrari se soubesse que o Massa não ia aceitar ser o segundão da equipe... Você lembra o que o espanhol fez quando viu que não seria primeiro piloto na McLata? Exatamente, ele pulou do barco...

    Ou seja: o Massa é um baita de um cuzão, que não se impõe, que deixa qualquer babaca sapatear em cima dele e tá tudo muito bem...

    Mais em http://akaikki.com.br/?p=6786

    ResponderExcluir
  4. Novamente provado o jogo de política e interesses nas grandes entidades do esporte. Lamentável.

    ResponderExcluir

OBS: Comentários anônimos serão excluídos. Para inserir o seu nome, basta clicar em "Nome/URL". Não é necessário preencher o campo URL caso não tenha!

No lugar do nome, podem colocar o Twitter, o e-mail ou o site pessoal. Mas não pode ficar anônimo!